Educação Socioemocional


Saber lidar com emoções, ter uma boa comunicação, conseguir trabalhar em equipe e ter iniciativa são fatores fundamentais para o êxito pessoal e profissional. Os novos caminhos evidenciam a importância de uma educação socioemocional, que considera as expectativas do aluno e o prepara para enfrentar os desafios que não estão descritos nos livros didáticos: os da vida.

Em um mundo muito preocupado com as habilidades cognitivas, o programa LIV – Laboratório Inteligência de Vida vem mostrar também a importância das habilidades socioemocionais que, inclusive, complementam as cognitivas. Essas habilidades se desdobram em atitudes, valores e comportamentos que podem ser aprendidos e experimentados na relação com o outro e com o espaço, seja na escola, na cidade ou na família. A partir do desenvolvimento delas, o ser humano se encontra mais preparado para enfrentar os desafios da vida, por meio do seu olhar empático e do autoconhecimento.

 

plataforma eleva
plataforma eleva

 

A importância de saber lidar com as emoções está cada vez mais clara, pois somos sujeitos em relação e esse outro, com quem nos relacionamos, é diferente de nós. Isso torna ainda mais imprescindível o ato de nos reconhecermos, porque assim também podemos conhecer o outro, além de saber conviver e respeitar a nós mesmos e ao próximo.

 

plataforma eleva
plataforma eleva

 

As habilidades socioemocionais são habilidades que você pode aprender; são habilidades que você pode praticar; e são habilidades que você pode ensinar, seja na escola, seja em casa. Dessa forma, ao investirmos no estudo e na prática das habilidades socioemocionais na escola, objetivamos a transformação do espaço escolar, com a melhora na relação do estudante com esse espaço e nas relações entre alunos e professores, a fim de garantir ao aluno múltiplas possibilidades de aprendizagem e o seu desenvolvimento integral

É importante destacar que, quando se acredita em um projeto como o LIV, acredita-se também no lugar da escola como formadora de seres humanos únicos – porém sociáveis – e de cidadãos. Por isso, acredita-se que o aluno é muito mais do que um armazenador de informações que serão testadas e graduadas em determinadas datas do ano. Dessa forma, propomo-nos a investir na relação entre o aluno, a escola e a família, com tudo que ela engloba: aprendizagem, dificuldades, relações de companheirismo, relações de hierarquia e, principalmente, interação com pessoas, valores e ideias diferentes.